Galeria

26/02/2010

Nivaldo Ornelas em Tributo a John Coltrane

Próximos Eventos

1
2
7
4
6
5
3
?1468001446

BH Instrumental

Nos anos 1997/98 a VEREDAS realizou com muito sucesso de público e crítica a “Série Instrumental”, projeto que trouxe pela primeira vez a Belo Horizonte grandes nomes do jazz como John Anderson, Paquito D´Rivera, Gonzalo Rubalcaba, Mike Stern, Joe Zawinul, e também grandes nomes da Música Instrumental Brasileira como Paulo Moura, Zimbo Trio, Guinga, Gilson Peranzzetta, César Camargo Mariano e Romero Lubambo e abriu espaço para grandes músicos mineiros como Juarez Moreira, Toninho Horta, Wagner Tiso, Chiquito Braga e muitos outros mais.
Em 2008, a “Série Instrumental” retornou ao cenário musical da cidade trazendo uma série de 9 espetáculos, sendo 4 no Teatro do Sesiminas – (BANDA MANTIQUEIRA, LEO GANDELMAN, RENATO BORGHETTI e BARBATUQUES), 2 do Grande Teatro do Palácio das Artes (JOBIM JAZZ e WAGNER TISO) e um espetáculo ao ar livre na Praça Marechal Floriano (CHICO AMARAL, JUAREZ MOREIRA E NIVALDO ORNELAS).
A cada edição foi oferecido um workshop gratuito aos músicos e estudantes de música da Grande Belo Horizonte e um ensaio aberto para estudantes da rede pública.
A partir de 2011, a Série Instrumental traz a “ SÉRIE BH INSTRUMENTAL”, com espetáculos na Praça Floriano Peixoto.
O projeto busca assim divulgar a música instrumental trazendo ao palco grandes instrumentistas com o objetivo de formar público para música e popularizar o acesso a espetáculos de qualidade desenvolvendo assim a consciência crítica dos cidadãos. Apoio Institucional: Instituto UNIMED-BH, com os benefícios da Lei Federal de Incentivo à Cultura através de doações de pessoas físicas.

Nivaldo Ornelas em Tributo a John Coltrane 26/02/2010

2

PROJETO BH INSTRUMETAL APRESENTA NIVALDO ORNELAS EM TRIBUTO A JOHN COLTRANE

Primeira edição do projeto em 2010 recebe Nivaldo Ornelas e grandes nomes para homenagem a John Coltrane

Para começar 2010 em grande estilo, o projeto BH Instrumental recebe dia 26 de Fevereiro, sexta-feira, às 20h, para um grande show gratuito na Praça Floriano Peixoto em Santa Efigênia, o músico Nivaldo Ornelas, em um espetáculo que homenageia os dos maiores nomes da música mundial – John Coltrane. O BH Instrumental é uma realização da Veredas Produções com o apoio institucional do Instituto Unimed-BH através de doações de pessoas físicas e conta com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

A dimensão de John Coltrane está na força de sua personalidade. A exemplo dos grandes músicos do jazz, ele foi um líder e, principalmente, um artista determinado na construção de sua concepção musical e no aperfeiçoamento técnico. No caso de Nivaldo Ornelas, John Coltrane foi o responsável por ele se tornar saxofonista. Nivaldo começou tocando acordeom. Quando entrou para a Escola de Formação Musical da Polícia Militar de Minas Gerais, passou para o clarinete. Estava, então, com 12 anos e o seu sonho era fazer música erudita. Não conhecia muito de música popular e muito menos do jazz. Foi aí que o amigo Antonio Morais lhe falou do jazz e lhe mostrou discos do Charlie Mingus, Dave Brubeck e Miles Davis. Ornelas gostava da sonoridade e da expressão. Ouviu John Coltrane pela primeira vez na casa do amigo Célio Balona. O disco era “The Prophet – Monk & Coltrane” e a música, “Ruby my Dear”. O impacto foi grande e o efeito imediato: decidiu tocar saxofone. Era a música que ele queria fazer. Como saxofonista, Nivaldo Ornelas é autodidata, mas John Coltrane foi o seu grande mestre.

Repertório:

- Equinox (John Coltrane)
- Seeda’s Song Flute (John Coltrane)
- Naima (John Coltrane)
- Count Down (John Coltrane)
- Mr. Knight (John Coltrane)
- Giant Steps (John Coltrane)
- Ruby My Dear (T. Monk)
- Livremente (Nivaldo Ornelas)
- Nova Granada (Nivaldo Ornelas)
- Carta Aberta (Nivaldo Ornelas)
- Sob-Controle (Nivaldo Ornelas)
 

NIVALDO ORNELAS - saxofonista, flautista, compositor e arranjador. Foi um dos fundadores do “Berimbau Jazz Clube”, ponto de encontro dos músicos mineiros nos anos 60. Logo depois, participou do “Clube da Esquina”. Entre os festivais que tomou parte, destacam-se: o Free Jazz (RJ/SP), Tudo é Jazz (Ouro Preto), Tim Festival (RJ/SP), Búzios Jazz e Blues, além de alguns dos festivais de maior prestígio no exterior, como Montreux (Suíça), Live Under the Sky (Japão), Chicago Jazz Festival (EUA), Festival de Estoril (Portugal) e Newport Jazz Festival (EUA). Sua arte abrange também composições para cinema, teatro e balé. Entre os prêmios que recebeu destacam-se: o de Melhor Trilha sonora para a peça “O Encontro Marcado”, de Fernando Sabino, o de melhor música original para o filme “A Dança dos Bonecos”, de Helvécio Ratton. Entre os discos produzidos como solista destaques para: Portal dos Anjos - Troféu Villa-Lobos; Viagem Através de um Sonho - Troféu Chiquinha Gonzaga; À Tarde (França); Som/Fantasia (editado também em Portugal); Aquarelas - A Música de Ary Barroso, Arredores - Prêmio Sharp. Nos últimos anos, Nivaldo atuou como solista com a Rio Jazz Orchestra, a Orquestra de Jazz de Curitiba, e atuou e gravou com a UFRJazz Ensemble. Foi convidado do Projeto Circular Brasil, da Série MPB & Jazz com Orquestra Sinfônica Petrobras, e coordenou o Rio Jazz Instrumental por dois anos consecutivos. Em 2009 as atenções estiveram voltadas para o lançamento do CD "Fogo e Ouro" – lançado pelo selo do SESC Amigos no Tom.


O PROJETO

O BH Instrumental é o nome que a já conhecida Série Instrumental passou a assumir em 2009. A mudança não afeta a essência do projeto, que, realizado nos anos de 1997, 1998 e 2008, pela Veredas Produções, já trouxe a Belo Horizonte um rol extenso de importantes artistas que se dedicam à música instrumental, em shows de altíssima qualidade, com completa infra-estrutura e ingressos acessíveis.

INSTITUTO UNIMED-BH
O Instituto Unimed-BH é uma instituição sem fins lucrativos, criada em 2003, que tem como missão conduzir o programa de Responsabilidade Social da Unimed-BH, contribuindo para a melhoria consciente e continuada da qualidade de vida das comunidades onde ela atua.
Como o referencial adotado é a promoção de vidas saudáveis, os projetos do Instituto têm na saúde sua área prioritária de intervenções, mas mantêm interface com outros campos, como a educação, cultura, lazer e capacitação profissional. Além de sua atuação social, o Instituto Unimed-BH busca fortalecer a cultura em Minas Gerais, apoiando projetos artísticos, através de seu programa de incentivo, amparado na Lei Rouanet.

PROJETO BH INSTRUMENTAL APRESENTA...

Nivaldo Ornelas em Tributo a John Coltrane
Com Nivaldo Ornelas – Sax, Kiko Continentino – piano, Paulo Braga – bateria e
Sérgio Barrozo - baixo
26 de Fevereiro - sexta-feira- 20 horas
Praça Floriano Peixoto, em frente ao 1° Batalhão de Polícia,
Bairro Santa Efigênia
GRATUITO
Informações- 3222-5271